Over 10 years we help companies reach their financial and branding goals. Maxbizz is a values-driven consulting agency dedicated.

Gallery

Contact

+1-800-456-478-23

411 University St, Seattle

maxbizz@mail.com

Brasil terá menos algodão na safra 21/22

Na safra 2019/20, o Brasil bateu o recorde da década, alcançando 3 milhões de toneladas de algodão. Em 2020/21, período marcado pelos efeitos da pandemia de covid-19, a produção recuou para 2,3 milhões de toneladas. Para a safra 21/22, que começa a ser colhida, a previsão que era de colher 2,8 milhões de toneladas foi revista e o Brasil terá menos algodão. “Faltou chuva no final do ciclo em Mato Grosso e Bahia”, explica Júlio Busato, presidente da Abrapa (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão).

Ainda que o país termine a temporada 21/22 com menos algodão que o previsto inicialmente, a safra atual será cerca de 10% maior que a anterior, mantendo o Brasil como o quarto maior produtor de algodão do mundo. Do total cultivado, apenas 700 mil toneladas permanecem no país, basicamente para abastecer a indústria têxtil. O grosso da produção é exportado. Quase 95% têm a China por destino, destaca Busato em entrevista ao GBLjeans.

Conforme o produtor, 84% do algodão brasileiro têm certificação ABR. Dos 2,33 milhões de toneladas da safra 20/21, 1,96 milhão de toneladas correspondem a algodão certificado. Quase todo o volume certificado também conta com licença BCI, de forma que 42% do algodão BCI do mundo são de algodão do Brasil, informou Márcio Portocarrero, diretor executivo da Abrapa em apresentação a jornalistas.

Para comparar, ele citou que os Estados Unidos participam com apenas 214 mil toneladas de algodão BCI.

Giro pela fazenda

Para mostrar a cadeia de produção do algodão certificada antes da fiação têxtil, a Abrapa organizou um giro por uma das fazendas do SLC Agrícola, grupo que responde por 11% da produção brasileira de algodão. O destino foi a fazenda Pamplona, situada em Cristalina, cidade de Goiás a 124 quilômetros de Brasília.

Para a safra 21/22, só a fazenda Pamplona plantou 92 mil hectares de algodão de primeira safra, que termina de colher em agosto. A fazenda também planta soja e milho.

Conta com uma UBA (Unidade Beneficiadora de Algodão) no mesmo complexo, com capacidade para processar 65 mil fardos de 2,3 toneladas cada um. Depois de passar pela usina de beneficiamento, os chamados ‘fardões’ dão origem a dois ou três fardos de 230 quilos cada um. São os ‘fardinhos’ que abastecem as fiações.

Na UBA, os ‘fardões’ envoltos em embalagens de plástico amarelo são abertos e levados para equipamentos que fazem a limpeza do algodão em duas etapas. Em seguida, uma máquina trata do descaroçamento da pluma.

A pluma limpa segue pela esteira para empacotamento nos fardinhos, enquanto o caroço passa por outros processos. Serve de insumo às indústrias de alimentos, para produção de óleos, e de cosméticos. A sobra de pluma que fica grudada no caroço é chamada de línter e usada para fabricação de papel-moeda ou do algodão que se compra na farmácia.

Outros sub-produtos incluem a fibrilha da qual se faz a sacaria, panos de prato entre outras aplicações; a casca do caroço serve para ração de gado. “Tudo do algodão tem uso”, assegura Filipe Mamede, gerente de vendas do SLC.

Leia Mais: Algodão na safra 21/22 tem projeção revista para baixo • GBLjeans

Fonte: Mídia: GBLjeans

Author

ampasul

Faça um comentário

%d blogueiros gostam disto: