Over 10 years we help companies reach their financial and branding goals. Maxbizz is a values-driven consulting agency dedicated.

Gallery

Contact

+1-800-456-478-23

411 University St, Seattle

maxbizz@mail.com

Rede Ramulária avalia formas de enfrentamento à doença

O fórum que reúne instituições de pesquisa públicas e privadas, além de empresas detentoras de patentes de fungicidas para estudar formas eficazes de combate à ramulária, hoje presente em todos os estados produtores de algodão, se reuniu na quinta-feira (27), para revisão das entidades parceiras da “Rede Ramulária”. No encontro virtual, foram divulgados dados estatísticos sobre a performance dos químicos e do manejo adequado para o combate à doença.

O projeto é realizado há cinco safras, em diferentes regiões produtoras da fibra, sendo oito campos de ensaio em Mato Grosso, dois no Mato Grosso do Sul, um em Goiás e três na Bahia. Nos ensaios de campo, os fungicidas recomendados para o controle da mancha de ramulária são avaliados individualmente para determinar sua eficiência, nivelar o conhecimento existente sobre o desenvolvimento do problema nas diferentes regiões produtoras; sistematizar as metodologias e procedimentos empregados nos ensaios de avaliação dos produtos utilizados no combate da doença; conhecer o modo de ação dos produtos, entre outras maneiras para a redução de riscos nas lavouras.

A intenção das discussões é formatar programas de combate à patologia, priorizando a rotação de fungicidas, com diferentes modos de ação, adequados à época de semeadura. A Rede Ramulária, como é conhecida, é patrocinada pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), com recursos do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), e conta com a parceria da Embrapa Algodão, Agrodinâmica, Fundação Bahia, Assist Consultoria, Fundação Chapadão, Ceres Consultoria Agronômica, Círculo Verde Assessoria Agronômica, Fundação MT, Desafios Agro,  Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), Instituto Phytus, Ide Pesquisas, Rural Técnica, Adama, ISK Biociences, Basf, CHD’S, Indofil,  Oxiquímica, Bayer, Sipcam Nichino, FMC, Helm, Syngenta, Isagro Brasil e UPL.

Para o presidente da Abrapa, Júlio Cézar Busato, a atuação em rede é a uma das melhores maneiras de os produtores da pluma obterem informações atualizadas e necessárias para enfrentar doenças e pragas que ameaçam a produção. “Nosso desafio é a busca constante de maior produtividade e qualidade da fibra, com racionalização de custos de produção e a Rede Ramulária nos fornece instrumentos para alcançarmos esses objetivos”, destacou.

O diretor Executivo da Abrapa, Marcio Portocarrero, que acompanhou a reunião, ressaltou a necessidade do cruzamento de dados sobre o clima, variedades cultivadas e região para concluir o estudo com segurança. O resultado deverá ser divulgado ainda neste ano, no site da rede ramulária (https://rederamularia.com.br/). Para o chefe-geral da Embrapa Algodão, pesquisador Alderi Araújo, a parceria da Abrapa nesse projeto em rede é fundamental para a manutenção de um elo permanente com o setor produtivo. “A Abrapa é a voz do produtor de algodão e o que estamos fazendo, instituições de pesquisa públicas e privadas e as empresas que atuam no setor de defensivos é para o produtor. Os resultados são para orientá-lo a tomar a melhor decisão”, disse. Segundo ele, por demanda da equipe, a próxima reunião deverá ser híbrida, presencial e online, sendo que a parte presencial, por unanimidade, deverá ser na sede da Associação, em Brasília.

Fonte: Abrapa

Author

ampasul

Faça um comentário

%d blogueiros gostam disto: