Over 10 years we help companies reach their financial and branding goals. Maxbizz is a values-driven consulting agency dedicated.

Gallery

Contact

+1-800-456-478-23

411 University St, Seattle

maxbizz@mail.com

Algodão: produção da nova safra de algodão é revisada para 2,94 milhões de toneladas, alta de 17,6% em relação à anterior

A Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), divulgou na quinta-feira (15), os números do fechamento da safra 2021/2022 e uma atualização da projeção 2022/2023 que já começou a ser plantada no Brasil. A produção totalizou 2,5 milhões de toneladas, alta de 5,8% com relação à safra passada. O aumento é resultado da recuperação de 19,4% na área plantada e queda de 11,4% na produtividade, devido a desafios climáticos, com relação à safra anterior. O processo de beneficiamento, que consiste na separação do caroço e da fibra, e as análise da qualidade do algodão (HVI), estão na fase final, no Brasil. Os dados foram divulgados durante reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Algodão e Derivados, no último encontro do ano, que reuniu representantes do setor, em sessão virtual.

Apesar do crescimento sobre a safra 2020\2021, a previsão ficou abaixo das estimativas iniciais, devido às intempéries climáticas que atingiram as regiões produtoras de maneira diferenciada, com chuvas excessivas ou seca. Os prognósticos iniciais do setor eram colher 2,8 milhões de toneladas da fibra. Para Júlio Busato, que preside a Câmara setorial e comanda a Abrapa, o setor vem crescendo a cada ano e, assim, caminhará para melhor atender o mercado interno e externo com o algodão brasileiro. Infelizmente, em um momento em que o mundo quer mais o nosso algodão, tivemos essa questão climática que impactou nas lavouras”, salientou Busato.

Para 2022/23, a área plantada de algodão deverá subir 1,3%, totalizando 1,657 milhão de hectare. A produção é projetada em 2,94 milhões de toneladas, uma variação de 17,6% ante a safra 2021/22. A recuperação da produtividade é o principal fator de aumento esperado para a produção.

Mercado Internacional

As exportações são estimadas em 1,8 milhão de toneladas e o consumo doméstico em 737 mil toneladas no calendário comercial 2022/23. No acumulado de agosto a novembro de 2022, 43% da projeção de exportação foi atendida e 33% do consumo doméstico.

O Brasil exportou 268,6 mil toneladas em novembro de 2022, totalizando uma receita de US$ 526,1 milhões. O volume foi 61,5% superior ao registrado no mesmo mês de 2021, e a receita 81,4% maior em dólares recebidos do mercado externo. Novembro é o quarto mês do calendário de exportação 22/23. O maior importador do algodão brasileiro foi a China, com participação de 35% do total embarcado. Paquistão, Vietnã, Bangladesh e Turquia completam a lista dos cinco maiores importadores da pluma. Paquistão foi o país que mais comprou do Brasil, somando 41,8 mil toneladas embarcadas a mais do que em novembro de 2021.

Os presidentes da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção, Fernando Pimentel, e da Anea (Associação Nacional dos Exportadores de Algodão), Miguel Faus, participaram da reunião e apresentaram os prognósticos das respectivas entidades. Para Pimentel, não foi um ano positivo para o setor doméstico, devido a diferentes fatores, entre os quais: recessão mundial, baixa margem da indústria, inflação interna e externa corroendo o poder de compra do consumidor. Para 2023, as projeções são mais animadoras com crescimento. Faus, apresentou as estatísticas sobre a exportação da pluma brasileira em 2022 e comentou sobre a logística nacional internacional.

ABR-log e Certificação oficial

Durante a reunião da Câmara, foram feitos balanços dos programas ABR-Log e da Certificação Oficial do algodão brasileiro. A certificação oficial voluntária tem o objetivo de harmonizar os procedimentos de controle da conformidade, de acordo com a Portaria 375 de 12 de agosto de 2021 e Instrução Normativa nº24 de 14 de julho de 2016 que estabelece o padrão oficial de classificação, identidade, qualidade e amostragem do algodão com amostras padrão de 150 gramas. O programa, traz a auditoria e verificação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento a processos que teve o projeto-piloto implantado nesse ano, em duas fazendas, é uma parceria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Abrapa. A partir de 2023 será disseminado em todas as regiões produtoras.

O ABR-Log, que é o Protocolo Socioambiental para terminais retro portuários que estufam contêineres com algodão no Brasil, por sua vez, também será implementado no próximo ano. O objetivo é aprimorar a qualidade das operações nos terminais retroportuários para que o produto chegue ao destino sem avarias, danos físicos e sujeira, atrelado a critérios mínimos de respeito social e ambiental. A ação integra o programa Cotton Brazil, gerido pela Abrapa, com apoio da Apex-Brasil, Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea) e Ministério das Relações Exteriores (MRE).

Os trabalhos para implementação do ABR-Log tiveram início neste ano, com o levantamento do problema, pesquisa de dados e opiniões, contratação e elaboração do protocolo, visita a terminais e validação do protocolo. Uma vez consolidado, o objetivo é o comprador receber os fardos de algodão íntegros após transporte; com padronização e melhoria das operações de estufagem nos terminais brasileiros; fortalecimento de quesitos sociais e ambientais em mais um elo da cadeia produtiva; aprimoramento da prensagem e produção dos fardos nas algodoeiras.

Os atuais estágios dos programas foram apresentados pelo diretor Executivo da Abrapa, Marcio Portocarrero, e o gestor de Sustentabilidade, Fábio Carneiro. A reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Algodão e Derivados foi a última realizada em 2022. O presidente empossado para comandar a Abrapa no biênio 23\24, Alexandre Schenkel acompanhou os trabalhos.

Fonte: Abrapa

Author

ampasul

Faça um comentário

%d blogueiros gostam disto: